Monthly Archives: junho 2016

Grupo Coesão Poética é homenageado na Câmara de Sorocaba

Por iniciativa do vereador Carlos Leite (PT), a Câmara Municipal de Sorocaba realizou, na noite da terça-feira (28), Sessão Solene em homenagem aos 11 anos de formação do Grupo Coesão Poética na cidade.

“Nascido em 2005, o Grupo Coesão Poética vem angariando admiradores por onde passa. Quer em eventos, confraternizações, lançamentos de livros, quer na mídia impressa e radiofônica, esse grupo se mantém firme em seu propósito maior: falar do coração, direto aos corações”, discursou o parlamentar.

“Grupo Coesão Poética está na história de Sorocaba, alegrando, enternecendo, desbravando sentimentos e corações”, finalizou Leite. O evento contou com a declamação de várias poesias, construídas ao longo da existência do grupo, em suas várias formações.

O vereador entregou voto de congratulações ao grupo, pela passagem dos seus 11 anos de existência, e um voto especial ao seu presidente, o poeta Gonçalves Viana, pelo lançamento do livro “Por uma deusa”.

Além de Carlos leite, compôs a Mesa Diretora dos trabalhos da Sessão Solene, o professor João Alvarenga (poeta, professor de língua portuguesa e de literatura, poeta, escritor e radialista), Sérgio Diniz Costa (escritor, revisor de livros e poeta), Andrade Jorge (poeta e escritor), Armando de Oliveira Lima (escritor, poeta e presidente do Instituto Darcy Ribeiro), e Gonçalves Viana (poeta e presidente do Coesão).

O momento cultural do evento ficou por conta do músico Eraldo Basso, que acompanhou o poeta Nicanor Pereira em um poema musicado, intitulado “A Poesia”.

SRM_7128Assista à íntegra da Sessão.

Parte 1:

Parte 2

POLÊMICA: Câmara debaterá extinção do NAIS e da FAI

Segundo o MP, entidades que assumiram o serviço de atendimento e acolhimento dos jovens infratores não fazem o “pré-atendimento”

O valor do aluguel era de R$ 18 mil por mês - EMIDIO MARQUES

O valor do aluguel era de R$ 18 mil por mês – Foto: EMIDIO MARQUES – Jornal Cruzeiro do Sul

Por iniciativa do vereador Carlos Leite (PT), a Câmara Municipal de Sorocaba realizará, nesta quinta-feira (30), às 14 horas, audiência pública para debater a iniciativa da Prefeitura de fechar o Clube do NAIS (Núcleo de Acolhimento Integrado de Sorocaba) e extinguir a FAI (Ficha Acolhimento Individual).

O NAIS assistia e reintegrava adolescentes de 12 a 21 anos, que tiveram algum conflito com a lei, mas suas atividades foram encerradas em dezembro do ano passado, sob a alegação da Prefeitura de que o prédio estava infestado de carrapatos-estrela, transmissores da Febre Maculosa. O Ministério Público contesta o fechamento do local, por entender que as entidades que assumiram os serviços não fazem o mesmo atendimento.

A proposta do Executivo está tramitando na Câmara desde o dia 7 de março deste ano, quando foi protocolado o projeto de lei nº 62/2016, mas até hoje não houve consenso entre os vereadores sobre a proposta, que revoga os capítulos dois e três da Lei nº 8.627/2008, que dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente.

O texto do Prefeito Antônio Carlos Pannunzio (PSDB) foi aprovado em primeira discussão no dia 19 de abril, e já recebeu duas emendas. Durante a segunda discussão do projeto, ocorrida no dia 9 de junho, o vereador Carlos Leite defendeu que o projeto não poderia ser aprovado sem um amplo debate com a sociedade. O texto foi, então, retirado de pauta para a realização de audiência pública.

O Prefeito defende, na justificativa do projeto, que o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente vem realizando reuniões frequentes, bem como, acompanhamento de cada atendimento ofertado, mas “não possui condições de manutenção e gerenciamento da Ficha Acolhimento Individual”.

Continuando sua justificativa, o Prefeito afirma que “com relação ao processo licitatório para contratação do serviço para gerenciamento e manutenção da FAI, restou fracassado, por falta de interesse de empresas que operam esse tipo de serviço”. Contudo, o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente teria manifestado desinteresse pela continuidade do processo licitatório.

Ainda segundo Pannunzio, a Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDES) realizou Edital de Chamamento para formação de parcerias dos serviços de Assistência Social, sendo que houve a habilitação de três entidades para a prestação dos serviços de medidas socioeducativas, conforme previsto nas orientações técnicas e da Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais – Resolução CNAS 109/09.

As três entidades habilitadas foram a Associação Educacional e Beneficente Refúgio, a Pastoral do Menor de Sorocaba, e o Serviço de Obras Sociais (SOS). “Cada uma das organizações terá como retaguarda um equipamento de CREAS como referência, facilitando e potencializando a articulação da rede de assistência social no território que cada uma será responsável”, defende o Prefeito.

Na visão da Promotora da Vara da Infância e Juventude de Sorocaba, Ana Alice Marques, “o não oferecimento do trabalho preventivo feito pelo NAIS com os adolescentes, que ainda não receberam a medida socioeducativa, é um retrocesso para a cidade”.

Segundo a Promotora, o NAIS, criado em 2007 em uma parceria entre a Prefeitura e o SOS, tinha a função de atender de forma preventiva e voluntária, os jovens infratores e suas famílias, enquanto aguardavam a aplicação das medidas socioeducativas, o que contribuiria para evitar que os jovens voltassem a praticar delitos. Contudo, o chamado “pré-atendimento”, que era realizado pelo NAIS, não é realizado pelas entidades que assumiram o serviço.

Na Câmara, defensores da causa animal querem o fim dos rojões

A Câmara de Sorocaba foi palco, no dia 23 de junho de 2016, de discussões sobre dois projetos que abordam o bem-estar animal e ambiental. O mais polêmico deles é o que pretende proibir o comércio, o manuseio, a utilização, a queima e a soltura de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos que produzam estampido. O segundo projeto é o que prevê a microchipagem dos animais da cidade. Ambas as iniciativas são do vereador Carlos Leite (PT) e estão em tramitação no Legislativo.

  Entidades se posicionaram contra os fogos de artifício - PEDRO NEGRÃO


Entidades se posicionaram contra os fogos de artifício – PEDRO NEGRÃO

O parlamentar argumenta que os rojões trazem malefícios aos animais domésticos e selvagens, provocam acidentes e transtornos para as pessoas, especialmente idosos e crianças.”Sabemos que é uma tradição antiga, mas o transtorno que traz é muito grande. Assim, como antigamente havia a soltura de balões, acreditamos que os rojões estejam com a vida curta”, argumentou. O vereador disse que comerciantes de fogos de artifício foram convidados a participar do debate, mas ninguém compareceu.

A audiência pública foi, então, marcada pelas falas de ativistas dos direitos dos animais e ambientalistas, como o ex-vereador Gabriel Bitencourt, a presidente da Comissão de Proteção Animal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Sorocaba, Georgia Nuno Racca, integrantes do Comitê Municipal de Direitos dos Animais de Sorocaba, Luciana Costa e Honno Marques. Eles expuseram os prejuízos ambientais causados pela produção e soltura dos fogos, os riscos para os humanos, além de ressaltar as mortes de animais, por conta do barulho provocado pelos artefatos.

Via Jornal Cruzeiro do Sul: Priscila Fernandes – priscila.fernandes@jcruzeiro.com.br

Assista à íntegra da Audiência Pública.

Parte 1:

Parte 2

Deliberado projeto que busca encorajar denúncias contra violência doméstica em Sorocaba

Medida de Carlos Leite visa amparar as vítimas no momento mais crítico, acolhendo-as e buscando garantir a denúncia formal.

A Câmara Municipal de Sorocaba deliberou, nesta terça-feira (28), projeto de lei que visa garantir às vítimas de violência doméstica, sexual ou psicológica, o acolhimento e atendimento especializado em todas as unidades de saúde do município de Sorocaba, bem como o adequado encaminhamento às autoridades competentes. O PL é de autoria do vereador Carlos Leite (PT).

Em seu projeto, Leite também determina que o Poder Público Municipal disponibilize profissionais capacitados para acompanhar tais vítimas aos plantões policiais para registrar boletins de ocorrência, sempre que a Delegacia de Defesa da Mulher estiver fechada.

2014-02-13_SO046

“Nossa medida visa garantir que as vítimas de violência tenham o melhor acolhimento possível nas unidades de saúde, sejam adequadamente atendidas e encaminhadas às autoridades, para que sejam encorajadas a denunciar os agressores. Não podemos compactuar com a cultura do silêncio que encobre esses crimes”, defende o parlamentar.

Para Carlos Leite, o projeto reforça a rede de assistência e combate à violência doméstica que existe na cidade, e vem superar as lacunas que existem nessa rede.

“Uma lacuna, por exemplo, é o não funcionamento permanente da DDM pelos sete dias da semana, vinte quatro horas, o que torna a denúncia dos agressores mais demorada por parte da vítima, que às vezes sente-se constrangida em ir a um plantão policial registrar a denúncia, perpetuando o ciclo de violência doméstica, sexual e psicológica”, diz o parlamentar.

Leite escreve, na justificativa do projeto, que “muitas das vezes estas mulheres chegam na rede de ambulatórios e postos de saúde envergonhadas, e sentindo-se culpadas pela situação de violência, e acabam silenciando os sofrimentos. É pensando nessas situações que sugerimos ter nos quadros de funcionários da rede de ambulatórios e postos de saúde um profissional, seja da área da saúde ou assistente social que possa orientar, acolher as vítimas de violência doméstica”.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública aponta, em suas estatísticas, que Sorocaba lidera suas estatísticas em relação aos casos de estupros notificados nos quatro primeiros meses de 2016: foram 64, contra 53 no mesmo período de 2015, o que representa um aumento de 20,75%. Sorocaba teve 22 estupros em janeiro, em fevereiro outros 11, em março 12 e em abril, 19 casos.

“Por um lado”, comenta Leite, “está claro que existe um aumento do índice de notificação de crimes de estupro, mas a própria Secretaria de Segurança do Estado aponta para a existência de um quadro de subnotificação. Nosso projeto vem fortalecer as vítimas, no momentos mais críticos, para que se encorajem, sejam amparadas e façam as devidas denúncias, quebrando o ciclo de violência”.

“Garantir que profissionais competentes e qualificados acompanhem as vítimas de violência também é uma forma de ampliar o número de notificações, uma vez que ainda há uma cultura machista na sociedade que tende a responsabilizar a mulher por casos, por exemplo, de estupro”, justifica o vereador no projeto.

Em maio deste ano, um caso de estupro coletivo ganhou repercussão nacional. O delegado Alessandro Thiers, o primeiro a investigar o estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro, em maio, afirmou que o primeiro vídeo divulgado sobre o caso, em que a jovem aparece nua, desacordada, ao lado de homens que mexem em sua genitália, não caracteriza estupro. Ele foi afastado do inquérito sob a acusação de ter constrangido a vítima ao tomar seu depoimento, e depois exonerado.

“Não temos denúncias de casos de constrangimento nas delegacias sorocabanas. Os delegados e delegadas são diligentes em suas tarefas. Contudo, trata-se de encorajar a vítima a denunciar, o que é mais um ato subjetivo do que propriamente objetivo, estando fora do alcance dos profissionais da polícia”, enfatiza Leite.

Carlos Leite destina R$ 10,6 milhões em emendas na LDO

A Câmara Municipal de Sorocaba aprovou, na sessão ordinária desta terça-feira (28), em segunda discussão, o Projeto de Lei nº 107/2016, que dispõe sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias do ano que vem. Ao todo, o projeto recebeu 72 emendas, sendo 24 (23 em primeira discussão e 1 em segunda) de autoria do vereador Carlos Leite (PT). Todas as emendas do parlamentar foram aprovadas e totalizam R$ 10,6 milhões de reais. No dia 7 de julho o PL volta à pauta, como matéria de redação final, para ser votada em definitivo.

2014-03-13018

Dentre as emendas de Leite que merecem destaque, estão a de nº 29, que destina R$ 200 mil para o fortalecimento da rede de atendimento público de oncologia e radioterapia, e a nº 26, que destina o mesmo valor para o combate e controle de câncer de mama e de colo de útero. Ainda na área da saúde, o parlamentar destinou R$ 250 mil para o transporte de pacientes  para o tratamento de fisioterapia.

Leite destinou, ainda, R$ 200 mil para a manutenção, reforma e melhorias no atendimento da Unidade Básica de Saúde do Éden, e mais R$ 200 mil para as mesmas obras na UBS do bairro Barcelona.

Presidente da Comissão Permanente de Agricultura e Abastecimento, o vereador Carlos Leite também apresentou emenda no valor de R$ 100 mil reais para a implementação da Política Municipal Agrícola, que é uma solicitação antiga dos agricultores de Sorocaba. Na área da segurança alimentar, o parlamentar também destinou R$ 100 mil para a implantação do Programa Horta Comunitária, cuja meta é conferir condições aos cidadãos de produzirem gêneros alimentícios em espaços urbanos.

O vereador também destinou R$ 400 mil reais para a reforma, ampliação e manutenção  de três unidades de educação: o CEI 20 (Centro de Educação Infantil Victoria Salus Lara, da Árvore Grande); o CEI 43 (Professora Vera Lúcia Momesso Maldonado, do Jardim Guitierres); o CEI 66 (Fraternidade Feminina, da Vila Haro); e a Escola Municipal Professora “Júlia Bierrenbach, do Jardim Cruzeiro do Sul. Leite havia apresentado emenda no valor de R$ 100 mil para a cobertura da quadra Sorocaba Leste, na Vila Assis, mas a emenda teve parecer contrário em primeira discussão. Novamente apresentada nesta terça, com as incorreções sanadas, ela foi aprovada.

Ainda na área da educação, o vereador destinou R$ 2 milhões para a construção de uma nova creche na Zona Leste de Sorocaba, e outros R$ 2 milhões de reais para a implantação do cartão “Vale Material Escolar”, um novo mecanismo para garantir que alunos não fiquem sem o adequado material escolar no início do ano, como vem ocorrendo com frequência. O mecanismo também fomentará o comércio de bairros, segundo o vereador.

A fragilidade do sistema de fiscalização da Prefeitura Municipal também é foco de outra emenda do parlamentar. Ele destina R$ 500 mil para o aumento do efetivo e fortalecimento do setor de Fiscalização do Município.

Na área ambiental, o vereador destina R$ 200 mil para a implantação de um parque aberto no bairro Piazza di Roma; R$ 250 mil para ações de castração de animais e implantação de microchipagem; e R$ 200 mil para o desassoreamento de córregos, além de R$ 300 mil para o desassoreamento da Represa do Ferraz.

Por fim, o vereador propôs R$ 300 mil para obras e benfeitorias no cemitério da Consolação, no bairro Árvore Grande; R$ 500 mil para a construção do Ossário Municipal (para permitir a desocupação de túmulos abandonados); e R$ 2 milhões para pavimentação asfáltica de vias do bairro Caputera.

Projeto busca encorajar denúncias contra estupro e violência doméstica em Sorocaba

Medida de Carlos Leite visa amparar as vítimas no momento mais crítico, acolhendo-as e buscando garantir a denúncia formal.

O vereador Carlos Leite (PT) protocolou, na tarde da quinta-feira (23), projeto de lei que visa garantir às vítimas de violência doméstica, sexual ou psicológica, o acolhimento e atendimento especializado em todas as unidades de saúde do município de Sorocaba, bem como o adequado encaminhamento às autoridades competentes.

Em seu projeto, Leite também determina que o Poder Público Municipal disponibilize profissionais capacitados para acompanhar tais vítimas aos plantões policiais para registrar boletins de ocorrência, sempre que a Delegacia de Defesa da Mulher estiver fechada.

APS_9177

“Nossa medida visa garantir que as vítimas de violência tenham o melhor acolhimento possível nas unidades de saúde, sejam adequadamente atendidas e encaminhadas às autoridades, para que sejam encorajadas a denunciar os agressores. Não podemos compactuar com a cultura do silêncio que encobre esses crimes”, defende o parlamentar.

Para Carlos Leite, o projeto reforça a rede de assistência e combate à violência doméstica que existe na cidade, e vem superar as lacunas que existem nessa rede.

“Uma lacuna, por exemplo, é o não funcionamento permanente da DDM pelos sete dias da semana, vinte quatro horas, o que torna a denúncia dos agressores mais demorada por parte da vítima, que às vezes sente-se constrangida em ir a um plantão policial registrar a denúncia, perpetuando o ciclo de violência doméstica, sexual e psicológica”, diz o parlamentar.

Leite escreve, na justificativa do projeto, que “muitas das vezes estas mulheres chegam na rede de ambulatórios e postos de saúde envergonhadas, e sentindo-se culpadas pela situação de violência, e acabam silenciando os sofrimentos. É pensando nessas situações que sugerimos ter nos quadros de funcionários da rede de ambulatórios e postos de saúde um profissional, seja da área da saúde ou assistente social que possa orientar, acolher as vítimas de violência doméstica”.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública aponta, em suas estatísticas, que Sorocaba lidera suas estatísticas em relação aos casos de estupros notificados nos quatro primeiros meses de 2016: foram 64, contra 53 no mesmo período de 2015, o que representa um aumento de 20,75%. Sorocaba teve 22 estupros em janeiro, em fevereiro outros 11, em março 12 e em abril, 19 casos.

“Por um lado”, comenta Leite, “está claro que existe um aumento do índice de notificação de crimes de estupro, mas a própria Secretaria de Segurança do Estado aponta para a existência de um quadro de subnotificação. Nosso projeto vem fortalecer as vítimas, no momentos mais críticos, para que se encorajem, sejam amparadas e façam as devidas denúncias, quebrando o ciclo de violência”.

“Garantir que profissionais competentes e qualificados acompanhem as vítimas de violência também é uma forma de ampliar o número de notificações, uma vez que ainda há uma cultura machista na sociedade que tende a responsabilizar a mulher por casos, por exemplo, de estupro”, justifica o vereador no projeto.

Em maio deste ano, um caso de estupro coletivo ganhou repercussão nacional. O delegado Alessandro Thiers, o primeiro a investigar o estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro, em maio, afirmou que o primeiro vídeo divulgado sobre o caso, em que a jovem aparece nua, desacordada, ao lado de homens que mexem em sua genitália, não caracteriza estupro. Ele foi afastado do inquérito sob a acusação de ter constrangido a vítima ao tomar seu depoimento, e depois exonerado.

“Não temos denúncias de casos de constrangimento nas delegacias sorocabanas. Os delegados e delegadas são diligentes em suas tarefas. Contudo, trata-se de encorajar a vítima a denunciar, o que é mais um ato subjetivo do que propriamente objetivo, estando fora do alcance dos profissionais da polícia”, enfatiza Leite.

Carlos Leite participa de inauguração de Hospital Veterinário da UNISO

O vereador Carlos Leite (PT), membro da Comissão Permanente de Meio Ambiente e de Proteção e Defesa dos Animais, representou a Câmara Municipal durante a inauguração do Hospital Veterinário Universitário da UNISO (Universidade de Sorocaba), ocorrida na manhã desta quinta-feira (23).
De acordo com a universidade, o hospital conta com infraestrutura para o atendimento clínico e cirúrgico de animais de pequeno e grande porte e de animais silvestres, tendo sido idealizado para atender às atividades práticas do curso de Medicina Veterinária.
“É com grande alegria que estamos participando desse momento da UNISO, quando se inaugura seu Hospital Veterinário. É um ganho extremamente importante para o ambiente acadêmico não só da universidade, mas de toda a cidade de Sorocaba, e um passo a mais na direção do tratamento de animais domésticos e silvestres na cidade”, disse o vereador Carlos Leite.
A unidade está atendendo há cerca de seis meses, em caráter acadêmico, animais de pequeno porte e animais silvestres pertencentes aos professores e funcionários da Universidade.
A UNISO afirma que a inauguração da unidade marca a ampliação das atividades da unidade, e atenderá animais de grande porte também, como equinos, bovinos, ovinos e caprinos. “A próxima etapa é estender o atendimento do Hospital à comunidade, com ações gratuitas”, divulgou a universidade.
Audiência Pública – A pedido do vereador Carlos Leite (PT), a Câmara Municipal de Sorocaba promove nesta quinta (23), às 19 horas, audiência pública com o tema “Bem Estar Animal: discussão de projetos de lei sobre proibição de soltura de fogos com estampido e sobre microchipagem animal”.
A iniciativa debaterá dois projetos de lei que estão tramitando na Câmara, o de número 92/2015 (que dispõe sobre a implantação de microchip de identificação eletrônica em animais) e o de número 02/2016 (que dispõe sobre a proibição da venda e soltura de fogos de artifício que produzam estampido). Ambos são de autoria de Carlos Leite.
WhatsApp-Image-20160623 (1)WhatsApp-Image-20160623 (2)WhatsApp-Image-20160623 (3)WhatsApp-Image-20160623 (4)WhatsApp-Image-20160623

Professor Xavier é homenageado com Título de Cidadão Sorocabano

O professor Carlos Eduardo Xavier foi homenageado com o Título de Cidadão Sorocabano em sessão solene realizada na noite de terça-feira, 21, no plenário da Câmara Municipal, pelos relevantes serviços prestados a Sorocaba. A iniciativa da homenagem é do vereador Carlos Leite (PT).

“Estou muito feliz, e muito agradecido a Deus, por poder estar fazendo essa homenagem. Xavier deu um grande testemunho como padre, e hoje dá como pai e como esposo. Xavier é um verdadeiro Filho de Deus, uma pessoa ungida. Hoje estou exercendo meu mandato graças ao apoio e incentivo de Carlos Eduardo Xavier”, comentou, emocionado, o vereador Carlos Leite.

SRM_6202 SRM_6309 SRM_6326

“Sou paroquiano da Igreja Santo Antônio. Em 1996, um grupo juntamente com o hoje padre Kojak, indicou meu nome para representar aquela região (da Árvore Grande) como candidato a vereador”, relembra Leite. Na época, Xavier era o pároco da igreja e esteve junto com o grupo de incentivo à candidatura de Leite.

“Receber a gratidão de uma cidade nos faz explodir de alegria. É uma noite maravilhosa para nós. Na Bíblia está escrito que quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro. E nós encontramos um tesouro na pessoa do Xavier. É uma coisa maravilhosa a gente poder ter amigos assim, que nos faz crescer. Se hoje eu sou um padre da nossa igreja da Arquidiocese, tem também a ajuda do Xavier. Aprendi muito no tempo em que esteve com a gente, coordenando e nos orientando. Que Deus abençoe muito essa homenagem maravilhosa que você, Xavier, está recebendo, e por nos ter mostrado sempre o caminho do bem”, discursou o padre Arari dos Santos Amorim, o Padre Kojak, durante a solenidade.

Parentes e amigos e alunos do homenageado também estiveram presentes na solenidade, que contou com apresentação musical da cantora Regina acompanhada do tecladista César.

Carlos Eduardo Xavier é paulista de Bauru, onde nasceu em 1967. Ingressou na vida religiosa franciscana e fez estudos de filosofia e teologia, sendo ordenado sacerdote franciscano em Bauru, em 1992. Em seguida, veio para Sorocaba, assumindo como pároco a Igreja de Santo Antônio, do Bairro Árvore Grande, em 1993.

Em 1998, deixou a vida sacerdotal, casou-se e constituiu família, sendo pai de duas filhas. No mesmo ano, formou-se em Programação Neurolinguística (PNL) e, desde então, atua na área e em psicologia analítica. Lecionou em colégios da cidade e atualmente é docente da Universidade de Sorocaba (Uniso).

Assista abaixo a sessão completa!

Polêmica: Câmara debaterá proibição de fogos e obrigação de microchipagem

A pedido do vereador Carlos Leite (PT), a Câmara Municipal de Sorocaba promoverá, no próximo dia 23 às 19 horas, audiência pública com o tema “Bem Estar Animal: discussão de projetos de lei sobre proibição de soltura de fogos com estampido e sobre microchipagem animal”.

A iniciativa debaterá dois projetos de lei que estão tramitando na Câmara, o de número 92/2015 (que dispõe sobre a implantação de microchip de identificação eletrônica em animais) e o de número 02/2016 (que dispõe sobre a proibição da venda e soltura de fogos de artifício que produzam estampido). Ambos são de autoria de Carlos Leite.

“Essa audiência pública é necessária para ouvirmos todas as partes que precisam se manifestar sobre os assuntos dos quais nossos projetos de lei tratam”, diz Leite. “Esperamos que, ao final da audiência, tenhamos um bom relatório sobre os prós e contras de ambos os projetos, que são polêmicos e merecem atenção especial da sociedade”, afirma o parlamentar.

« Older Entries